terça-feira, 17 de novembro de 2009

FRAGMENTOS DA HISTÓRIA DE QUIPAPÁ - 01

CLIQUE SOBRE A FOTO PARA AMPLIAR

Quando iniciamos pesquisas diversas objetivando escrever, como escrevemos e conseguimos publicar, a "História de Panelas - Terra dos Cabanos", isto na década de 70 do Século pretérito, e com a publicação do livro em 1980, tivemos a oportunidade de coletar muitos documentos com dados históricos ainda não divulgados e possivelmente inéditos, de vários municípios do Agreste e outras regiões fisiográficas de Pernambuco, e Quipapá foi um deles, ligadíssimo à Panelas, até territorialmente.


Indagamos a inúmeras pessoas bastante idosas residentes em Quipapá e Panelas sobre a origem do nome da cidade, e as informações divergiam. A Enciclopédia Nacional dos Municípios Brasileiros diz que vem de um cactus chamado quipá, que bota um fruto do qual os nativos e escravos da região se alimentavam com esse fruto quipá, que foi pela dificuldade de pronúncia e constantes pedidos, passaram a dizer quipapá, cactus não comum no território dali e sim em regiões áridas com vegetação do Nordeste, espécie de cardo rasteiro. Há quem diga que a origem provém da corruptela da palavra Quipaçá ("asilo de fugitivos" ou "refúgio de desocupados", face haver sido ali região dos Quilombos dos Palmares, e refúgio de escravos evadidos.

Quipá é também originado do tupi-guarani da família das cactáceas. Houve quem dissesse que a origem foi de uma povoação existente antigamente na África (Continente), mas precisamente perto de Angola, chamada Quipapá, e que 50 a 60% dos escravos refugiados na chamada "Guerra dos Palmares", eram originários da tribo ou aldeia de Quipapá. Resolvemos, pois, escrever para os Embaixadores do Brasil em Portugal, Angola e não obtivemos sequer uma rsposta. Solicitamos apenas para informarem através de fontes históricas se existia tal Aldeia, povo ou qualquer coisa com o nome Quipapá. Solicitamos ainda ao então Diretor da Faculdade de Fislosofia, Ciências e Letras de Caruaru, apoio na pesquisa para esclarecimento, e tendo sido pesquisado os dicionários: Lello Universal; Topográfico Histórico de Pernambuco; Vocabulário Pernambucano; Geográfico Globo; Histórico Brasileiro Globo; Etimológico Prosódico; Curiosidades; Novíssimo Dicionário da Língua Portuguesa; Caldas Aulete; Silveira Bueno; Antenor Nascente, e Aurélio Buarque de Hollanda, além das Enciclopédias Delta; Grande Delta; Delta Júnior; Barsa; Mirador; Abril Cultural; Brasileira Mérito, e fontes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), nada foi encontrado das versões populares, no entanto fomos aconselhados a consultar um Dicionário de Terminologia Indígena Tupi´Guarani ou Documentário do Departamento de Documentação e Cultura de Pernambuco.

Mas deixando esse assunto de lado, vamos agora falar sobre a realização de uma eleição para Juizes de Paz para Quipapá. De conformidade com o Art. 57, da Lei de 19 de agosto de 1846 e no seu (Parágrafo) § 22 das Instruções de 28 de junho de 1849, foi realizada a eleição para Juízes de Paz de Quipapá, no dia 13 de setembro de 1864, no recinto da igreja de Bom Jesus dos Remédios, da então Vila de Panelas, cuja Mesa Receptora e Apuradora de Votos teve como Secretário Manoel Calisto de Souza e como Mesários Domingos Ferreira de Macedo, Manoel Grgório da Paixão e Cândido José Cavalcante. Após a apuração constatou-se o seguinte resultado: Domingos Ferreira de Macedo (Mesário mais votado): 501 votos; Antônio Lopes Muniz: 494 votos; Antônio Monteiro dos Santos: 492 votos; Antônio Pedro de Oliveira: 490 votos; José Alves Camello: 208 votos; Claudino José de Mello: 206 votos: Francisco Gomes da Silva Neri: 203 votos; Balbino José da Silva: 201 votos; José Maurício de Araújo: 09 votos; Lourenço de Albuquerque Maranhão Loloia: 08 votos; Manoel João de Souza: 03 votos; Manoel de Siqueira Passos: 02 votos; e Miguel Felippe Ribeiro: 02 votos.

Foram eleitos os quatro (4) mais votados para o cargo de Juiz de Paz de Quipapá, Província de Pernambuco.

Um comentário:

  1. Gostaria de entrar em contato com vossa pessoa, Sr. Newton Thaumaturgo, para, se possível, conhecer um pouco mais sobre a História de Quipapá. iceman_george@hotmail.com

    ResponderExcluir